Teoria – Graus e intervalos da escala

Iniciaremos aqui o estudo de um assunto básico para quem quer aprender a compor suas próprias músicas ou deseja tirar de ouvido com facilidade qualquer música que quiser.

Pode parecer difícil no início mas aos poucos tudo vai ficando mais repetitivo e fácil de lidar, assim como aplicação dos esquemas vai ficando natural.

O estudo dos intervalos e graus ainda nos ajuda a fazer transposição de tons, que é a alteração do tom da música para que ela se torne mais confortável para tocar e cantar, adaptando-se ao seu tom de voz ou harmonizando-se com as melodias que você consegue alcançar na voz.

Começaremos numerando as notas em sequência. Observe o quadro abaixo. Cuidado: estes números NADA têm a ver com as casas ou cordas do violão. Estamos numerando as notas da escala tendo em mente as notas em sequência.

Observe que a nota DÓ pode ser chamada de 1 e também de 8. Por isso, o termo oitava. Oitava é a repetição da nota (nesse caso o DÓ) após percorrida a distância das sete notas da escala. Então, podemos concluir, sem medo de errar, que depois do 7, pode vir o 1 de novo. Seria o 1 (a primeira nota) de uma nova oitava da escala. Mas não engesse o pensamento nisto (nunca engesse a idéia, pois na teoria musical há muita relatividade em jogo, tudo depende do pontos de vista). Mais tarde, no assunto formação de acordes dissonantes, observaremos que o RÉ, após o DÓ(8), recebe o número 9, assim como o MI(10), o FÁ(11), o LÁ(13), etc. Mas esse assunto virá mais tarde.

Simplificando uma regra prática:

A identificação dos graus da escala será:

[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] e [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] e [1] [2] [3]…

Vamos praticar no violão, repetindo alguns dos exercícios de escala feitos anteriormente, agora dizendo os graus no lugar dos nomes. Não esqueça o seguinte: entre os graus 3(MI) e 4(FÁ) e entre os graus 7(SI) e 1(DÓ), o espaço entre as notas é de uma casa apenas. Então: entre os graus 3 | 4, e entre os graus 7 | 1 há distância de uma casa apenas.


INTERVALOS

É importante visualizar os graus no braço do violão porque a partir deles vamos construir o conceito de intervalos.

Um intervalo é a distância entre duas notas. Sendo o Dó a nota fundamental da escala de Dó, dizemos que o Ré faz um intervalo de segunda. Porque é a segunda nota da escala. Assim como o Fá faz intervalo de quarta com o Dó. O Sol faz intervalo de quinta. O Lá faz intervalo de sexta. O Si faz intervalo de sétima.

Os intervalos simples da escala natural são:

  • DÓ -> RÉ (SEGUNDA MAIOR)
  • DÓ -> MI (TERÇA MAIOR)
  • DÓ -> FÁ (QUARTA JUSTA)
  • DÓ -> SOL (QUINTA JUSTA)
  • DÓ -> LÁ (SEXTA MAIOR)
  • DÓ -> SI (SÉTIMA MAIOR)
  • DÓ -> DÓ (OITAVA)

Estes são os intervalos entre as notas da escala natural. Os intervalos podem ser maiores, menores, justos, aumentados ou diminutos. Quando o intervalo for maior que uma oitava, será chamado de intervalo composto, falaremos sobre eles mais adiante.

Vamos falar agora de cada um dos intervalos simples.

INTERVALO DE 2ª(segunda)

Este intervalo ocorre na distância de duas casas. Naturalmente, ele está ocorrendo entre as notas Dó e Ré, ou Fá e Sol, ou Lá e Si, etc. Por outro lado, entre o Mi e o Fá, a distância entre estas notas é de uma casa ( intervalo natural de segunda menor). Da mesma forma, entre o Si e o Dó há intervalo de segunda menor (1 casa).

INTERVALO DE 3ª(terça)

Chamamos de terça porque o intervalo envolve a passagem de três notas, por exemplo Dó, Ré e Mi. Existe naturalmente um intervalo de terça maior entre o Dó e o Mi(Dó[1], Ré[2] e Mi[3]). A terça maior tem a distância de dois tons, ou seja, 2 casas de Dó a Ré, e mais 2 casas do Ré ao Mi. Entre o Fá e o Lá também encontramos estas mesmas distâncias. Basta numerar o Fá[1], Sol[2] e Lá[3].

Observe que a numeração vai se tornando relativa. O grau 1 depende de que nota você elege para começar a escala. Lembre-se do circulo das notas, onde você pratica todas as escalas possíveis: Dó a Dó, Ré a Ré, Mi a Mi… Então, cada vez que recomeça uma nova escala você numera a primeira nota como 1 da nova escala e assim por diante. Na escala de Ré você terá Ré[1], Mi[2], Fá[3], etc…

Agora observe o seguinte: entre o Mi e o Sol. Você tem 1 casa(meio tom) entre o Mi e o Fá, mais 2 casas(um tom) entre o Fá e o Sol. Somamos com este intervalo entre Mi e Sol 3 casas, ou seja, um tom e meio. Este intervalo de terça chamaremos de Terça Menor.

Resumindo, sempre que a terça envolver os intervalos Mi->Fá e Si->Dó(1 casa), nós teremos terça menor.

Observe a tabela das terças:

Terças Distâncias entre as notas Intervalos
DÓ->MI Dó->Ré(2 casas) Ré->Mi(2 casas) Terça Maior
RÉ->FÁ Ré->Mi(2 casas) Mi->Fá(1 casa) Terça Menor
MI->SOL Mi->Fá(1 casa) Fá->Sol(2 casas) Terça Menor
FÁ->LÁ Fá->Sol(2 casas) Sol->Lá(2 casas) Terça Maior
SOL->SI Sol->Lá(2 casas) Lá->Si(2 casas) Terça Maior
LÁ->DÓ Lá->Si(2 casas) Si->Dó(1 casa) Terça Menor
SI->RÉ Si->Dó(1 casa) Dó->Ré(2 casas) Terça Menor

Decore o circulo das terças e dominará tudo o que se refere a formação de acordes:

INTERVALO DE 4ª (quarta)

O intervalo Dó->Fá é um exemplo de intervalo de quarta, pois contém quatro notas [ dó->ré->mi->fá ]. Quais são os outros intervalos de quarta que existem na escala diatônica?

Veja a tabela:

Quarta Distância entre as notas Intervalo
DÓ->FÁ Dó->Ré->Mi->Fá Quarta Justa
RÉ->SOL Ré->Mi->Fá->Sol Quarta Justa
MI->LÁ Mi->Fá->Sol->Lá Quarta Justa
FÁ->SI Fá->Sol->Lá->Si Quarta Aumentada
SOL->DÓ Sol->Lá->Si->Dó Quarta Justa
LÁ->RÉ Lá->Si->Dó->Ré Quarta Justa
SI->MI Si->Dó->Ré->Mi Quarta Justa

Observe que o intervalo Fá->Si é quarta aumentada. Realmente, se você executar as duas notas ao mesmo tempo o som que sai é diferente do intervalo de quarta justa. Toque o Fá da corda6 casa1 e o Si da corda5 casa2 para escutar o som da quarta aumentada.

INTERVALO DE 5ª(QUINTA)

Seguindo o raciocínio, o intervalo de quinta será aquele em que está contidas 5 notas, por exemplo Dó->Sol [ Dó->Ré->Mi->Fá->Sol ]. O intervalo de quinta é muito útil na formação de acordes, assim como o intervalo das terças. Todas as bandas de rock e punk-rock fazem uso direto dos intervalos de quinta, muitas delas só do que necessitam é o intervalo de quinta em seus acordes. Este intervalo forma o que os americanos chamam de power chord.

Toque o Dó da corda5 casa3 e o Sol da corda4 casa5 e terá o power chord C5. Da mesma forma o G5 se monta sobre o Sol corda6 casa3 e Ré corda5 casa5.

Existem as quintas justas, como estas acima, mas também existe a quinta diminuta. Observe o quadro abaixo:

Quinta Distância entre as notas Intervalo
DÓ->SOL Dó->Ré->Mi->Fá->Sol Quinta Justa
RÉ->LÁ Ré->Mi->Fá->Sol->Lá Quinta Justa
MI->SI Mi->Fá->Sol->Lá->Si Quinta Justa
FÁ->DÓ Fá->Sol->Lá->Si->Dó Quinta Justa
SOL->RÉ Sol->Lá->Si->Dó->Ré Quinta Justa
LÁ->MI Lá->Si->Dó->Ré->Mi Quinta Justa
SI->FÁ Si->Dó->Ré->Mi->Fá Quinta Diminuta

O intervalo Si->Fá(quinta diminuta) é o inverso do intervalo Fá->Si(quarta aumentada).

Decore o círculo das quintas para dominar formação de acordes. O cliclo de quintas também serve para dominar a modulação de tons, como veremos mais adiante quando falarmos das sequencias de sustenidos e bemóis para formação de tonalidades. Observe que o ciclo de quintas em sentido anti-horário resulta no ciclo de quartas.

INTERVALO DE 6ª(SEXTA)

O intervalo de sexta é muito usado em acordes dissonantes. O acorde G6 por exemplo, é um acorde de Sol Maior, sobre o qual se acrescenta a nota Mi, que é o intervalo de sexta.

O intervalo de sexta passa por seis notas, por exemplo, Dó->Lá [ Dó->Ré->Mi->Fá->Sol->Lá ]. Os intervalos de sexta podem ser maiores ou menores, conforme a incidência dos semitons Mi-Fá e do Si-Dó.

Segue uma tabela resumo dos intervalos de sexta, conforme o modelo diatônico das notas naturais.

Sexta Distância entre as notas Intervalo
DÓ->LÁ Dó->Ré->Mi->Fá->Sol->Lá Sexta Maior
RÉ->SI Ré->Mi->Fá->Sol->Lá->Si Sexta Maior
MI->DÓ Mi->Fá->Sol->Lá->Si->Dó Sexta Menor
FÁ->RÉ Fá->Sol->Lá->Si->Dó->Ré Sexta Maior
SOL->MI Sol->Lá->Si->Dó->Ré->Mi Sexta Maior
LÁ->FÁ Lá->Si->Dó->Ré->Mi->Fá Sexta Menor
SI->SOL Si->Dó->Ré->Mi->Fá->Sol Sexta Menor

INTERVALO DE 7ª(SÉTIMA)

Os intervalos de sétima são os mais usados em dissonâncias de acordes. Existem as sétimas maiores e menores, conforme a incidência dos semitons naturais Mi-Fá e Si-Dó. Um acorde cuja cifra seja C7M ou C7+ é um acorde com a sétima maior. No campo harmonico natural as sétimas maiores vão aparecer no acorde de grau I (Dó | cifra C7M) e no acorde de grau IV (Fá | cifra F7M). As demais sétimas serão todas menores.

Segue a tabela das sétimas.

Sétima Distância entre as notas Intervalo
DÓ->SI Dó->Ré->Mi->Fá->Sol->Lá->Si Sétima Maior
RÉ->DÓ Ré->Mi->Fá->Sol->Lá->Si->Dó Sétima Menor
MI->RÉ Mi->Fá->Sol->Lá->Si->Dó->Ré Sétima Menor
FÁ->MI Fá->Sol->Lá->Si->Dó->Ré->Mi Sétima Maior
SOL->FÁ Sol->Lá->Si->Dó->Ré->Mi->Fá Sétima Menor
LÁ->SOL Lá->Si->Dó->Ré->Mi->Fá->Sol Sétima Menor
SI->LÁ Si->Dó->Ré->Mi->Fá->Sol->Lá Sétima Menor

INTERVALO DE 8ª(OITAVA)

O intervalo da oitava é o mais fácil de observar, pois é a mesma nota repetida após passar por todas as outras. Exemplo de intervalo de oitava:

Dó->Dó [ Dó->Ré->Mi->Fá->Sol->Lá->Si->Dó ]

Todas as oitavas são justas. A oitava é um intervalo importante para a formação de acordes no violão, usada para reforçar o acorde.


O MODELO DIATÔNICO

A escala que estamos vendo, desde o início, formada pelas notas naturais (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si), forma um modelo chamado de escala diatônica.

O que caracteriza uma escala é o espaço (de casas, entre uma nota e outra, no violão) que há entre cada nota da sequencia. Você vai lembrar que entre as notas SI e DÓ existe um espaço de uma casa apenas, entre DÓ e RÉ, espaço de duas casas. Este espaço se chama intervalo, explicando a grosso modo.

Em teoria musical chamamos de intervalo a distância entre duas notas.
Como a teoria musical é uma disciplina que serve para todos os instrumentos,
então fala-se em intervalos ao invés de casas, pois nem todos os instrumentos têm casas.

Lembre-se de que intervalo implica que tenhamos duas notas para contar qual intervalo há entre elas. Se tocarmos uma nota Dó, por exemplo corda 5 casa 3, ainda não temos nenhum intervalo. Em seguida, tocamos a nota Ré, corda 4 solta, agora temos intervalo entre o Dó e o Ré.

Vimos na aula anterior que teremos intervalos de 2ª, 3ª maior ou 3ª menor, etc. Vamos deixar isso de lado neste momento, e atentar para as duas mais importantes unidades de distâncias entre as notas: o semitom e o tom.

O semitom é o intervalo de meio-tom (1 casa do violão).
Existem dois semitons naturais na escala diatônica (escala limpa, sem sustenidos nem bemóis). Eles localizam-se entre MI->FÁ, e SI->DÓ, ou 3º->4º grau, e 7º->8ºgrau (nunca esqueça dos graus da escala).

O intervalo de tom é a soma de dois semitons (ou duas casas no caso do violão). Não confunda com o tom da música, que é outro conceito. Estamos falando de semitom e tom inteiro.

Resumindo: 1 tom inteiro = semitom+semitom (distancia de 2 casas no violão).

Por exemplo: DÓ -> RÉ, ou SOL -> LÁ.

O esquema da escala diatônica utiliza tons e semitons. Assim:

Memorize o modelo: [tom tom semitom tom tom tom semitom], ou [T T ST T T T ST].

É interessante também você pensar em dois blocos iguais, assim: [ T T ST ] + [ T T ST ], sendo que estes dois blocos iguais “T T ST” estão separados por 1 Tom. Os blocos chamam-se 1º Tetracorde e 2º Tetracorde.

29 comentarios

Roberto Sales Gouvêa

Espetacular,nunca encontrei em nenhum lugar,uma explicação tão clara como essa. Roberto Salles, Belo Horizonte/MG.

Anderlaine

Gente eu amei muito mesmo esse post achei esclaredor.Mas teria a continuacao que fala sobre intervalos ? Se tiver então qual é o site para eu encontrar ? Obg desde ja.

Alex Maia

Olá, obrigado pelo material disponibilizado, com certeza vai me ajudar bastante à ter uma boa base teórica musical, principalmente no violão.

Adriana

Obrigada pela explicação, graças a vcs entendi quase completamente o conteudo dos intervalos, mas estou com dificuldades em outros termo do intervalo, quando Dó – Lá bemol, G#- Fá, C – A# entre outros meu professor disse que são pegadinhas,vcs podem me ajudar com elas ??? Imensamente grata.

    ZeDoBelo

    Oi Adriana, realizando o intervalo no violão fica fácil identifica-lo, sendo Dó > Lá Bemol o mesmo intervalo natural de Lá > Fá, uma sexta menor, o desenho no braço do violão acaba sendo o mesmo bastando deslocar casas para frente mantendo o intervalo de casas/cordas. O G# seria a terça menor de Fá, o mesmo intervalo ocorre em E > G, distancia de três casas no violão na mesma corda, já o C > A# seria melhor entender esse A# como Bb, que é a mesma nota com nome diferente, mas fica fácil de identificar que é uma sétima menor de C, mesmo intervalo natural de G > F. Espero ter ajudado, se a dúvida persistir, estamos à disposição. Abraços e boa sorte!!

LEOBERTO DUARTE COSTA (LÉO)

Estou iniciando do ZERO, já sei alguns acordes, trocar as cordas do violão é comigo mesmo a minha dificuldade maior é nas trocas de acorde no tempo certo.
Espero que este curso possa me proporcionar outros conhecimentos importantes.
Na oportunidade se algum colega experiente que tenha alguma dica importante quanto a minha dificuldade compartilhe comigo que ficarei muito grato.

Léo

maria celia lustosa

Apesar de estar seguindo o curso e adorando pq muito elucidativo Comprei o DVD volume 1.Parabéns pelo seu método…Gostaria de saber o que o DVD pode acrescentar?
Um grande abraço

    ZeDoBelo

    Oi Maria, o DVD é solicitação antiga dos usuários do site, para poder aprender sem precisar da internet, o conteúdo é o mesmo que está no site, com exceção de alguns ritmos que têm no DVD mas não tem no site. Abraço!

antonio

obrigado……….consegui entender o porquê dos intervalos maiores,menores e diminutos,justos, que em tudo que li nunca me esclareceu tanto. parabens!

Comente

  • *preenchimento obrigatorio